Número total de visualizações de página

sábado, 14 de janeiro de 2012

ORA PRO NOBIS



Sair do óbvio, da repetição conhecida. Cortar as amarras, seguir com fé o estremecimento que me faz abrir os olhos para outra coisa dentro de mim, escalar a montanha interna segura apenas no levíssimo alento de uma esperança de ser, sair, sair da história antiga e previsível, entregar-me aos braços amantes de uma vindoura Eu, que sou Eu sem o ser mais…

Atravessar a ponte levadiça na hora última, que a vida é breve e o sonho elusivo, desfazer a crusta das ilusões hirtas dentro de mim, sair, sair para os inexplorados espaços interiores onde habita o canto desconhecido, sair para a entrada, para o acesso ao centro.

Largar os compassos de espera do amanhã pois o amanhã é hoje, aqui, no momento em que respiro pausadamente na rota da evolução. Sair, sair da Estrada conhecida, calcorreada há tantas vidas de desgaste e dor. Sair do sufoco, do sofrimento, gerar sem dor essa flor vibrante e fresca que é o meu caminho.

Abrir espaço para o Fogo dinâmico do avanço, o Pensamento claro e organizado, a Inteligência do Corpo e a inefável capacidade de Sonhar.

Integrar os opostos na sua metamorfose ao centro pois passou o tempo de alimentarmos o que nos desintegra.

Querer, querer esculpir a Vida a partir da Alma, vislumbrar as jóias do Divino,  cultivar a Beleza, deixar um luminoso rastro à passagem…



Assim eu oro. Por mim, por ti, pelo “nós” que quer saltar da roda antiga, que nos sabe para além do que aparentemente somos e da nota que o mundo nos atribui.

Ora pro nobis!

Sem comentários:

Enviar um comentário