Número total de visualizações de página

domingo, 30 de setembro de 2012


A SOMBRA E O SÍMBOLO

“…cada coisa neste mundo não é porventura senão a sombra e o símbolo de uma coisa.”
FERNANDO PESSOA


O simbolismo de factos, objectos, padrões repetitivos, oportunidades e desventuras na vida das pessoas pode ser um dos melhores indicadores de quem se é e para onde se vai. Para tal, é preciso, claro, saber ler o caracter simbólico de tudo, essa “sombra de uma coisa” a que Pessoa alude.
Olho em meu redor e sinto-me  (umas vezes mais outras menos) naquilo que criei, nos laços desenvolvidos, nos sonhos ainda sustentados malgré tout.

Ah, as invisíveis paredes  dos impedimentos a imprimir desvios obrigatórios no caminho que se idealizara outro, ah os inesperados milagres, os abra cadabra para o maravilhoso que só acontecem, diz-se, aos que “nascem com uma estrela na testa”, ah as forças de dentro e as de fora mescladas num todo inextricável a que não estamos suficientemente  atentos e que acaba por nos sufocar diariamente em angústias e adiamentos da nossa desejável auto-revelação.
Aqui estou, sentada face ao meu potencial, algo consciente de recursos desconhecidos  e não utilizados, a remoer esta angustiazinha a que quero dar nome, sem o conseguir. Onde começa e acaba o meu poder de decidir? O que foi que não fiz que me cabia fazer no momento que não detectei e que era a chave para outras vias mais próximas do centro tenro onde dança a essência do que me foi destinado?

Que forças são estas que me deixam entrever o rosto do sonho, mas logo erguem tabiques cerrados ao meu passo, que espalham luas azuis num céu inalcançado, no gesto que se não completa, na palavra fecunda, escoante de seivas e interioridades várias mas fugidia, esvoaçante nos éteres sem que me deixem assentá-la no papel?
Sem que me deixem…O que é que me não deixa,, afinal,? O que é que cerra cruelmente as janelas para o sol que a minha alma busca, persistente entre convulsões e ventos desacertados? Quem me envia os símbolos da minha inépcia ou planta flores de esperança nos meus dias pendulares entre o passo atrás e o avanço encorajante?

Habituo-me cada vez mais a olhar outra e outra vez as sombras dançantes  na minha jornada, torna-se crucial  tentar extrair da sombra que passa o símbolo do que ela me quer apontar. E às vezes parece quase lá chego, revelação iminente, véu que se levanta enfim. Mas o jogo vai ainda na infância, tem que crescer a expensas minhas.

Que a sombra não passe sem ser vista, que o jogo não seja em vão, que a roda gire  e o padrão actuante entre vívido na minha consciência.  Tudo a quanto aspiro.


domingo, 9 de setembro de 2012


ANNA KARENINA
- a actualidade do romance de Tosltoi

Ter mergulhado de novo no romance de Tolstoi pela mão de Joe Wright, para além de me ter dado acesso a uma acabadíssima obra de arte, levou-me de novo à habitual reflexão sobre o desastre brutal que mudanças radicais de cariz sentimental na vida já estrututrada das pessoas vem a causar em geral. Se a resposta adequada (sob a forma da mudança necessária) ao sentimento avassalador do Amor se apresenta completamente legítima, já a sua realização efectiva se reveste de complicações inesperadas que, ao afectarem  entre outros aspectos o corpo emocional dos seres envolvidos, pode levar a grandes desastres pessoais.
Sendo os impulsos do Amor genuino incontornáveis, para além do corajoso mas desastrado caminho escolhido por Anna Karenina,  resta a quem os experimenta optar por uma das vias seguintes: ou bem que se decide a abafar no fundo de si mesmo o sentimento em questão (com consequências imprevisíveis, desde doenças inexplicáveis a “terapias de substituição” em geral desviantes do caminho próprio) ou opta por assumir para si mesmo esse sentimento e tenta encaixar na sua realidade a manifestação possível do mesmo.
Qualquer das opções implica sofrimento e desastre, em maior ou menor grau, pelo estado em que a humanidade ainda se encontra. Corpos emocionais altamente vulneráveis e o poderoso portal a que a vida sexual dá acesso, resultam em geral num turbilhão algo violento que acaba por afectar sériamente, de um modo ou doutro, as partes envolvidas.
As mulheres em especial, pela maternidade e ainda fraca autonomia económica (quando existe) são muito vulneráveis a estas mudanças e as primeiras vítimas dos seus actos. Por outro lado, a forma como até hoje estruturámos a vida social e familiar, levanta frequentemente questões do foro moral difíceis de resolver.

Por mais paradoxal que isso se apresente, lucidez e discernimento são imprescindíveis num processo abrasador como é o do Amor sentimental inesperado, irresistível e compensador em si mesmo como nada mais, muitas vezes surgido numa esquina da nossa vida quando compromissos profundos já haviam sido assumidos. Pois não será absurdo que a glória do Amor experimentado pelos personagens centrais de Tolstoi (em especial quando abrilhantada pela corajosa opção de Anna Karenina) se veja coroada de derrota e trevas pela decadência  e suicídio da heroína e consequente abandono involuntário dos seus dois filhos, pelo sofrimento e solidão do marido, um homem bom e justo que continua a amá-la para além da morte?

Sabe-se pouco, sofre-se muito. É tempo ainda de  aprendizagem…

A resposta para uma via alternativa às apresentadas, parece só poder vir do poder desconhecido do Espírito, numa entrega confiante ao fluir da Vida.