Número total de visualizações de página

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

NO REINO DA TRETA


Chama-se o Reino da Treta.
Embora há muito andássemos desconfiados, nos  últimos tempos, caiu sobre todos nós como chuva grossa, em dia de céus plúmbeos, cerrados, daqueles que não dão trégua. Caiu sobre nós e encharcou-nos até aos ossos, penetrou-nos de forma laseriana, alcançando o âmago celular, sem lugar a dúvidas. É tudo treta!

Desde os bancos da escola, onde nos venderam formulas acabadas e infalíveis sobre a ciência, a política, a economia e factos históricos com alturas de dogma, ao dia a dia penoso e recheado de contraditórios e perplexidades que nos vemos obrigados a viver, a verdade é que tudo ou quase tudo é mentira!
Tudo é efémero, artificioso, gerado por motivos ulteriores e caiado de intenções manipulatórias, tudo parece fabricado intencionalmente ad hoc, tendo como objectivo o manuseamento destas marionetas que nos prestamos a ser.

Se, num ímpeto de revolta, pomos cá fora a nossa indignação e nos recusamos a obedecer, tiram-nos o tapete, a cenoura, a viabilidade e ficamos a falar sozinhos rumo a um fim desconsolado e indigno.
Somos vítimas da nossa imperfeição, da falta de consciência que nos caracteriza, da letargia em que nos deixámos abater, distraídos, infinitamente entretidos com o reality show com que o sistema global nos presenteia em cada esquina, no televisor omnipresente nas nossas casas (que não são nossas mas do banco sempre pronto a saltar-nos em cima, caso não pingue a prestaçao), na facilidade com que engolimos e apoiamos o “bonzinho” mas nos esquecemos do perfume do que é verdadeiramente bom e estruturado, daquilo que tem a ver com o que somos intrinsecamente e que as nossas sufocadas almas tanto gostariam de gerir.

A hora é dura, mas pelo menos agora já começamos a levantar o véu das inverdades. Cuidado, porém, com os excessos e as precipitações. O sistema é muito eficiente na gestão de tais pecados e remete-nos habilmente, sem que o notemos, para a nossa insignificância. Volta tudo à estaca zero, ao desespero, à sobrevivência básica, lágimas, perdas, frustração e nada.
Humilhante dominação dos mais fracos, ausência de soberania pessoal e outras coisas afins.

Às vezes, desanima-se! Às vezes, é grande a tentação de seguir mar adentro, como Alfonsina, e diluirmo-nos na água, aquilo que maioritariamente somos, na matéria.
Mas alguma coisa em nós, seja o sopro do espírito seja o instinto de sobrevivência, lá nos ergue outra vez, para mais uma tentativa.

Parece ter chegado a hora da desmontagem. Com inteligência, sem acelerações despropositadas, atentos ao que está escrito nas entrelinhas. Vigilantes, solidários, audazes, precavidos, enraizados.

É tempo de aprender o caminho de saída do Reino da Treta.