Número total de visualizações de página

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

G A B R I E L A


 

Fixo-me nuns olhos negros, directos, sérios, quase agrestes.

Agradam-me. Bem como a ligeiríssima curva, ascendente e irónica , nos cantos da boca. Rosto sério, austero.

Inteireza e dissidência palpáveis.

Neste mundo ficcionado, à boleia de uma infantilização crescente, sabe bem encontrar, ainda que seja num livro, um par de olhos assim, de alcance laseriano, olhos que abdicaram obviamente de parâmetros fixos e se distanciaram da norma e dos códigos convencionais de pensamento. Os olhos de Gabriela Llansol.

A sua escrita, largamente desconhecida do público português,

aí ficou a comprovar o que digo.

Intuo que ela experimentou, como eu, a necessidade imperiosa de viver fora e à margem desse maralhal de seres indiferenciados, em movimentação robótica sobre a superfície terrestre, pululantes de lugares comuns e vontade incerta.

Preciso de romper com a paisagem baça que me rodeia, estilhaçar os contornos previsíveis da vida de onde o canto da alma se ausentou, esgueirar-me para além dos papéis e das responsabilidades atribuidas, preciso de uma cintilação nova que alumie a minha sempre mutante relação com o imaginário.

Entrelaço-me no fulgor estonteante da tua escrita, Gabriela. Entra-me no sangue, numa espiral ascendente de fogo e desejo de transcendência, de mais além daquilo que me trava o passo.

Grave a degradação que por aqui grassa.

Graves a inverdade, a incultura, a desistência…

Gravíssimo deixar que as coisas nos aconteçam, sermos matraqueados com limites rigidos de pensamento e cairmos, pouco a pouco, no esquecimento de quem somos.

Mas tu sabias, Gabriela, sabias que por detrás do canto, há outro canto por descobrir, que a cor verdadeira não é a que a visão física  percepciona, que ela se oculta, subtil e rara, na luz que a ilumina por dentro, a cor que só olhos treinados pela alma podem captar …
Montada no verbo  viajaste ao encontro dessa outra vida, no encalce de uma “outra ocupação da Terra”.

Irmanada, ofereço-te estas poucas palavras pois, hoje, o teu canto dissidente e fulgurante arrancou-me do abismo.

sábado, 22 de agosto de 2015

VIAGRA FEMININO


Já existia, desde há tempos, para os homens. Embora tenha opinião pouco favorável sobre o assunto, não vou aqui discuti-lo pois não sou homem, nem me sinto abalizada para analisar as questões íntimas do sexo oposto.
Apareceu  agora no mercado para as mulheres. Addyi, a pílula cor-de-rosa. Após anos de investigação e, ao que parece,  muito aguardada, a miraculosa pílula aumenta a libido das mulheres, actuando directamente sobre o seu sistema nervoso central. Com efeitos secundários, claro, embora isso tenha uma importância menor para a questão que desejo analisar aqui.
Hoje em dia é difícil que algo me surpreenda, os tempos vão de feição a que qualquer coisa se possa esperar, todo o tipo de alienações, falseamentos, fraudes, mentiras.
Não obstante esse estado de abertura permissiva a qualquer possibilidade,  confesso que a notícia me causou um estranho impacto. Senti-a como bofetada abusiva e deslocada, uma espécie de alfinetada certeira no coração apertado e tenso pelos dias e ocorrências destes tempos. Em última análise, a mulher fica enfim reduzida à condição de máquina e o seu comportamento e reacções no âmbito sexual dependentes da ingestão de uma pílula.
Sentimentos, ciclos de vida, o enquadramento sagrado em que o sexo deve ocorrer jamais desligado do amor – nada disso parece contar para este miserável e decadente sistema de valores, paradigma sem alma que, apesar de moribundo, propaga indefinidamente o seu estertor de morte com produções como a pílula rosa.
Convém ter presente que este é um remédio desenvolvido por uma sociedade de contornos patriarcais, na qual a mulher está muito mal compreendida, sujeitada como foi a uma fragmentação milenar e sofredora, em consequência, de limitações complexas a nível da libido.

Que mulher sou eu, afinal,  se o meu desejo sexual tem a ver com uma pílula, rosada, para não destoar do género? Em que tipo de aberração me tornei se o meu corpo, na sagrada prática do amor, é apenas uma máquina de reacções químicas controladas por fármacos, sem que o meu corpo emocional, para não ir mais longe, não seja tido nem achado para os meus envolvimentos íntimos e performance?!
No fundo, não é de admirar. Vivemos num imediatismo perigoso e patético e uma pilula cor-de-rosa pode similar, ainda que de modo passageiro, a solução rápida para problemas atávicos cuja solução  exigiria  empenho e aprofundado esforço de expansão da consciência por parte de homens e mulheres.
Por atalhos sem alma, não se abrirão jamais as portas do céu.

Mariana Inverno, NOTAS À SOMBRA DOS TEMPOS

domingo, 16 de agosto de 2015

A MECENAS


Neste jogo complexo que é a vida, as peças dos nossos gestos, afectos, transferências e intenções encaixam usualmente no que nos é mais conveniente. Por maior dificuldade que tenhamos em aceitá-lo, a vida e os seus imbroglios são, para cada um, uma coisa diferente e o esforço pessoal vai inevitavelmente  na direcção das coisas fazerem sentido para o próprio.  No caso particular das nossas vulnerabilidades, o drama adensa-se.

Michel Cheval, ON THE WAY OF DESTINY
Soube recentemente do caso de uma suposta mecenas que, vinda de longe, iria salvar meio mundo das dificuldades da vida e financiar n projectos, imbuídos de espiritualidade.  Pouco a pouco, várias pessoas com dificuldades económicas e sonhos pessoais de avanço da consciência,  acercaram-se à dita mecenas na expectativa da chegada da prometida ajuda.
De algum modo, as suas vidas ficaram em suspenso, cativas desse sonho que lhes criava novos horizontes e lhes permitia respirar a esperança. Ocorreu um interstício de alívio entre a dura realidade e a projecção  do sonho realizado ou, pelo menos, em marcha. Um pouco como quando jogamos no euromilhões com uma fé cega e planeamos durante dias o que vamos fazer com tal fortuna – os problemas reais tornam-se inexistentes ante a avalanche da riqueza e, no no écran interno, surge todo o tipo de materializações, inacessíveis até então.
Pois, como no caso do euromilhões e protelada de mês para mês, a ajuda da mecenas não chegou. O balão perdeu o ar e os dias recuperaram a sua patine real.

Parece que a falsa benfeitora poderá padecer de algum distúrbio: megalomania, síndrome de salvatore mundi ou outras coisas aparentadas. Pouco importa. O que conta aqui é tentar compreender o mecanismo  interior que leva pessoas inteligentes, bem intencionadas e com projectos muitas vezes válidos a transferirem, ainda que temporariamente, a possibilidade de realização dos mesmos para uma terceira pessoa que nunca viram, da qual nada sabem a não ser a máscara apresentada pela net. Quanto a mim, isto prende-se com um problema universal – por via das nossas vulnerabilidades, acreditamos no que nos convem, naquilo que mitiga a nossa dor, no abraço que envolve a nossa carência, no falso trampolim quântico para a concretização dos nossos sonhos e que nos é prometido a troco de nada.

Não defendo que o chamado milagre não exista. Milagre entendido como o transcender das leis conhecidas da vida e da matéria. O mecanismo que o acciona, contudo, prende-se muito mais com o poder pessoal de cada um, a sua capacidade para  nutrir o sonho mantendo-se enraizado na Terra onde se manifesta e a lucidez necessária para descartar o ilusório.

A vida tem vontade própria e nós somos os seus agentes.

Mariana Inverno, NOTAS À SOMBRA DOS TEMPOS

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

AGONIAS



Ter hoje apenas ecos da força estranha que um dia, avassaladora, me percorreu as células, as físicas e as outras, e me ligou ao coração da vida…



Passaram luas sobre luas, o tempo cavou sulcos fundos na pele da alma da gente, restaram folhas ensanguentadas à deriva no arco maior dos sonhos incompletos, do canto que se não fez ouvir…

Quem me poderá levar para além da minha dor, senão eu mesma? Quem irá desmascarar as transferências, as projecções, as dependências, o amar sobretudo o amor que outrém sente por nós?

Quem resgatará a tua alma, quando o portal se abrir e os mil coros do mundo encoberto  te lembrarem a grandeza que mantiveste velada, porque a prova parece ter ido longe demais?

Papéis inexactos, entradas em cena fora do tempo adequado, o destino titubeia palavras imprecisas no quente vento estival, somos náufragos de um barco que um dia partiu enlouquecido de amor, mas de casco já furado,,,

Entrar no vazio com coragem, embora o chão nos escape e a tentação de olhar para trás  lance fogos fátuos na escuridão dos equívocos e dos arrependimentos…

Não há nada à nossa espera senão aquilo que já somos, súmula do que vivemos ou não vivemos, pássaros nocturnos de asa quebrada, vulneráveis no ar e em terra, filhos de um quase, em breve só memória…
Mas tu és quem eu sei que és. Talvez que eu não seja quem dizes eu ser.
Tempo da verdade.

Mariana Inverno, NOTAS À SOMBRA DOS TEMPOS

Litografia: Montserrat Gudiol