Número total de visualizações de página

terça-feira, 22 de março de 2016

REINVENTAR A VIDA

Faz-se o que se pode. Faz-se o pouco que se sabe para ganhar a vida e justificar a existência. Dão-nos um título, uma designação e encostamo-nos ao espaldar de um estatuto, aproveitam-se ou não as oportunidades, nasce-se com uma estrela na testa ou desafortunado ou nem uma coisa nem outra. E o epitáfio, a existir, diz sempre eterna saudade, sentida homenagem. A seguir, os poucos que nos lembram, vão-se também. Sem memória, não existimos. Fim.

À medida que os anos passam, a reflexão acima toma mais e mais conta de nós e os contos de outrora deixam de fazer sentido. O ser, em processo de envelhecimento físico, precisa de novos mitos para se aguentar sem que o bafo da depressão o contamine.  Os mitos da continuidade para além de, da permanência apesar de, da eternidade sob outra forma, vibração. Ou simplesmente os do aqui e agora, do eterno presente como únicas verdades absolutas e válidas.
Habituámo-nos à vida neste patamar de manifestação, por muito difícil e desregulada que ela se apresente, e ninguém regra geral quer partir. O que está mal há de melhorar, o que foi bom há de voltar. Esperança, esperança, sempre esperança no dia vindouro, na produção que ainda  acontecerá, na felicidade que escapou por um triz, não foi culpa de ninguém, quando muito do próprio.



Encontramos forma de prosseguir. Sem se perceber como, muito menos porquê, lá continuamos inseridos no filme da nossa vida de umas dezenas de anos, quando muito, a vida que havíamos sentido, inconscientemente durante tanto tempo, como inacabável. Foi esta última a crença responsável por decisões desastrosas, pelo grande pecado, talvez o único, de não nos termos aplicado a escutar com maior empenho a voz daquilo a que chamamos alma, interioridade. Começaram aí todos os desvios e embrenhámo-nos em papéis vários, redundantes da nossa cegueira, insuficiência, engano dos sentidos, ilusão.

Há saída para este estado de coisas? Penso que sim, sinto que sim. Mas não como a nossa consciência limitada nos indica.

Vamos ter de nos resignar à transitoriedade da existência, mas não sem antes termos  interiorizado a importância relativa de cada um dos nossos sonhos e passos, paradoxalmente fundamentais na contribuição que aportam à construção colectiva, à transformação do obsoleto e do caduco. E, humildemente, tornarmo-nos conscientes do  muito pouco que sabemos, da forma distorcida, mil vezes reformulada como o vamos sabendo, dos mitos que inventamos para nos aguentarmos, do tempo sem tempo em que fluímos, passantes incautos.

Sem comentários:

Enviar um comentário