Número total de visualizações de página

sábado, 22 de agosto de 2015

VIAGRA FEMININO


Já existia, desde há tempos, para os homens. Embora tenha opinião pouco favorável sobre o assunto, não vou aqui discuti-lo pois não sou homem, nem me sinto abalizada para analisar as questões íntimas do sexo oposto.
Apareceu  agora no mercado para as mulheres. Addyi, a pílula cor-de-rosa. Após anos de investigação e, ao que parece,  muito aguardada, a miraculosa pílula aumenta a libido das mulheres, actuando directamente sobre o seu sistema nervoso central. Com efeitos secundários, claro, embora isso tenha uma importância menor para a questão que desejo analisar aqui.
Hoje em dia é difícil que algo me surpreenda, os tempos vão de feição a que qualquer coisa se possa esperar, todo o tipo de alienações, falseamentos, fraudes, mentiras.
Não obstante esse estado de abertura permissiva a qualquer possibilidade,  confesso que a notícia me causou um estranho impacto. Senti-a como bofetada abusiva e deslocada, uma espécie de alfinetada certeira no coração apertado e tenso pelos dias e ocorrências destes tempos. Em última análise, a mulher fica enfim reduzida à condição de máquina e o seu comportamento e reacções no âmbito sexual dependentes da ingestão de uma pílula.
Sentimentos, ciclos de vida, o enquadramento sagrado em que o sexo deve ocorrer jamais desligado do amor – nada disso parece contar para este miserável e decadente sistema de valores, paradigma sem alma que, apesar de moribundo, propaga indefinidamente o seu estertor de morte com produções como a pílula rosa.
Convém ter presente que este é um remédio desenvolvido por uma sociedade de contornos patriarcais, na qual a mulher está muito mal compreendida, sujeitada como foi a uma fragmentação milenar e sofredora, em consequência, de limitações complexas a nível da libido.

Que mulher sou eu, afinal,  se o meu desejo sexual tem a ver com uma pílula, rosada, para não destoar do género? Em que tipo de aberração me tornei se o meu corpo, na sagrada prática do amor, é apenas uma máquina de reacções químicas controladas por fármacos, sem que o meu corpo emocional, para não ir mais longe, não seja tido nem achado para os meus envolvimentos íntimos e performance?!
No fundo, não é de admirar. Vivemos num imediatismo perigoso e patético e uma pilula cor-de-rosa pode similar, ainda que de modo passageiro, a solução rápida para problemas atávicos cuja solução  exigiria  empenho e aprofundado esforço de expansão da consciência por parte de homens e mulheres.
Por atalhos sem alma, não se abrirão jamais as portas do céu.

Mariana Inverno, NOTAS À SOMBRA DOS TEMPOS

Sem comentários:

Enviar um comentário