Número total de visualizações de página

domingo, 16 de agosto de 2015

A MECENAS


Neste jogo complexo que é a vida, as peças dos nossos gestos, afectos, transferências e intenções encaixam usualmente no que nos é mais conveniente. Por maior dificuldade que tenhamos em aceitá-lo, a vida e os seus imbroglios são, para cada um, uma coisa diferente e o esforço pessoal vai inevitavelmente  na direcção das coisas fazerem sentido para o próprio.  No caso particular das nossas vulnerabilidades, o drama adensa-se.

Michel Cheval, ON THE WAY OF DESTINY
Soube recentemente do caso de uma suposta mecenas que, vinda de longe, iria salvar meio mundo das dificuldades da vida e financiar n projectos, imbuídos de espiritualidade.  Pouco a pouco, várias pessoas com dificuldades económicas e sonhos pessoais de avanço da consciência,  acercaram-se à dita mecenas na expectativa da chegada da prometida ajuda.
De algum modo, as suas vidas ficaram em suspenso, cativas desse sonho que lhes criava novos horizontes e lhes permitia respirar a esperança. Ocorreu um interstício de alívio entre a dura realidade e a projecção  do sonho realizado ou, pelo menos, em marcha. Um pouco como quando jogamos no euromilhões com uma fé cega e planeamos durante dias o que vamos fazer com tal fortuna – os problemas reais tornam-se inexistentes ante a avalanche da riqueza e, no no écran interno, surge todo o tipo de materializações, inacessíveis até então.
Pois, como no caso do euromilhões e protelada de mês para mês, a ajuda da mecenas não chegou. O balão perdeu o ar e os dias recuperaram a sua patine real.

Parece que a falsa benfeitora poderá padecer de algum distúrbio: megalomania, síndrome de salvatore mundi ou outras coisas aparentadas. Pouco importa. O que conta aqui é tentar compreender o mecanismo  interior que leva pessoas inteligentes, bem intencionadas e com projectos muitas vezes válidos a transferirem, ainda que temporariamente, a possibilidade de realização dos mesmos para uma terceira pessoa que nunca viram, da qual nada sabem a não ser a máscara apresentada pela net. Quanto a mim, isto prende-se com um problema universal – por via das nossas vulnerabilidades, acreditamos no que nos convem, naquilo que mitiga a nossa dor, no abraço que envolve a nossa carência, no falso trampolim quântico para a concretização dos nossos sonhos e que nos é prometido a troco de nada.

Não defendo que o chamado milagre não exista. Milagre entendido como o transcender das leis conhecidas da vida e da matéria. O mecanismo que o acciona, contudo, prende-se muito mais com o poder pessoal de cada um, a sua capacidade para  nutrir o sonho mantendo-se enraizado na Terra onde se manifesta e a lucidez necessária para descartar o ilusório.

A vida tem vontade própria e nós somos os seus agentes.

Mariana Inverno, NOTAS À SOMBRA DOS TEMPOS

Sem comentários:

Enviar um comentário