Número total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de março de 2012

PERSONALIDADE REDONDA


Dizia o amigo outro dia que as personalidades deveriam ser redondas e não enquinadas, como acontece na maioria dos casos. Só por essa superfície curvilinea e facilitadora do deslizar da energia,  pode  a pessoa humana  servir-se a si mesma e aos que a rodeiam de modo saudável e eficaz.
Ter uma personalidade redonda não significa ser “rodilha” dos outros. Muito pelo contrário: este é um sujeito com alta auto-estima, sem “macaquinhos no sótão” e que, por conseguinte, não tem quaisquer escrúpulos em deitar a mão ao trabalho que o contexto em que se insere lhe pede. Toda a tarefa é nobre se justificada pela necessidade  e realizada com empenho e brio. O segredo é o auto-apreço combinado com a dose certa de humildade pessoal e aquela alegria raramente presente na acção humana, alegria resultante de se estar a contribuir para a construção de uma conjuntura mais harmoniosa e justa.
Ando tão farta de poderzinhos pessoais, exercidos com prepotência, em que qualquer ser por maior que seja a sua ignorância e limitação de raio de acção efectiva, aproveita qualquer pretexto para subjugar o outro. Essa atitude barra os horizontes da expansão pessoal e cria ao outro dificuldades totalmente evitáveis .
Não se sujeitar a, não fazer determinada tarefa por não ter a ver com o “job description” ou, por outro lado,  realizar os trabalhos que nos cabem com enfado ou má-vontade ou utilizar o pequeno poder que a função que desempenha lhe confere para dificultar o caminho do outro, representa um débito na contabilidade pessoal da nossa auto-estima e da contribuição que damos à comunidade a que pertencemos. Aponta para uma falta de agilidade no carácter, cujas esquinas pontiagudas -correspondentes ao preconceito, às homofobias e xenofobias – todas elas radicadas no medo e por consequência na insegurança pessoal não nos permitem evoluir.
Eis um trabalho sobre a psique a que urge dar toda a prioridade.

Sem comentários:

Enviar um comentário