Número total de visualizações de página

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Q U E T Z A L


A sua alma quer subir aos céus, sob a forma de estrela. Ou talvez de sopro ou de som aflautado, um caminho esguio e sinuoso que ninguém testemunhasse.

A sua alma não quer prosseguir privada do encantamento próprio das uterinas águas donde emergiu, a sua alma sente-se quetzal privado do voo livre.

A sua alma desenganou-se no cansaço das utilizações e das explicações e dos sábios e dos mestres. Está em debandada, na agonia de mil sombras que se esgatanham algures no background desta cena toda.

Todas as noites, a tempestade se intensifica e o recuo é maior, todos os dias o gesto perde fogo, a voz o timbre mágico, baixa uma secura tersa, limada, a aderir aos átomos do corpo sem retorno possível.
Sempre ao borde delas, mas não há lágrimas.

Sem comentários:

Enviar um comentário