Número total de visualizações de página

quinta-feira, 9 de março de 2017

ELA E O OUTRO DOENTE

“Let us consider that we are all insane. It will explain us to each other. It will unriddle many riddles."Mark Twain

“Be kind, for everyone you meet is fighting a harder battle.” 

― Plato
Quadro: ANdrea Kowch















Ponto de rotura. Na contenção do rosário dos dias desde há muito, soltaram-se os pássaros negros dos limites passados pela virtude. Sairam fogos-fátuos de morteiros escondidos nas pregas do desespero instalado, a pele pariu ouriços mortíferos e ela quedou-se, estática e surda, ante horizontes sem luz. Black out, secura, não sentir.
Choveu desolação das abóbadas belas que ela olhava sem compreender, o ar corrompido por estalidos e estilhaços, o ar rebentado por todos os lados como ela, exausta, fatigada de mistérios e de crenças.
Meditou. E o milagre não se operou...
Falou com outrem. E a mudança não aconteceu...

Em mudez, enfiou o velho casaco de pele e levou o outro doente a lanchar fora, numa pastelaria escondida nalguma rua lateral da cidade provinciana.
Não sei qual é o teu segredo, mas estás mais bela do que nunca. E o doente mirava-a com olhos húmidos, suplicantes de que regressasse ali, aonde o ar saturado do cheiro do café e de croissants acabados de sair do forno, os cercava como única solução possível. Detrás do balcão, uma jovem prematuramente obesa, diligente e de avental às riscas, olhava-os por detrás dos óculos pesados, com uma expressão de carinho e assumida cumplicidade, alheada por momentos da sua própria miséria.

Cedeu. Acariciou por momentos a mão trémula do outro doente, ajudou-o a comer o croissant que se esfarelava de tão tenro. Começou a falar de trivialidades, Trump e o louco da Coreia do Norte, o outro doente a procurar seguir o raciocínio e a concordar com tudo. Deixou-o por minutos com a jovem gordinha e diligente para ir ao Multibanco (esteja descansada, que eu fico atenta), agradeceu depois.

No regresso ao carro, amparou-o com um empenho mais sentido, era a hora em que o dia e a noite compartem a mesma linha divisória, subtil e misteriosa.
A tensão começara a aliviar. Vá-se lá saber porquê.



Sem comentários:

Enviar um comentário