Número total de visualizações de página

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

O CAIR DA FOLHA



Bem que eu gostaria de sentir o outono de outrora, com as suas gradações de temperatura decrescente, cor da folhas em cambiantes mil, o restolho sob os meus passos melancólicos e pensativos e a luz cada dia mais baixa a convidar-me à introspecção. Mas a natureza está como os nossos dias, inconstante, imprevisível, em mudanças abruptas. 

Desci ontem ao roseiral numa tentativa de aproveitar os últimos instantes de luz e cuidar dele. As roseiras estavam como a minha vida pessoal, pouco assistidas nas suas necessidades essenciais para uma floração luxuriante. Trabalhei rapidamente, na habitual luta contra o tempo, uma angustiazinha no coração, tentando tudo abarcar sem o conseguir.

Limpei o que me foi possível, ramos-ladrão cortados com mão determinada, rosas mortas retiradas com ternura e agradecimento pela beleza e perfume que trouxeram ao meu jardim.
Tudo insuficiente, porém, pensei, ao ver a noite cair com os seus sons inconfundíveis e os seus mistérios. Pareceu-me ver alguém junto do lago dos peixes, um movimento inusual por entre os palmitos à tona de água. Talvez...quem saberá onde e como estamos a cada momento, que filtros desconhecidos emparedam a nossa visão maior...

Ao lusco-fusco, com passos cautelosos para não cair nos degraus de xisto e segurando, grata, contra o peito, a generosa braçada de rosas colhidas durante a tarefa, voltei para casa.


Em tempos tortuosos, a vida, com as suas pequenas-grandes compensações, vai-nos ensinando a aceitação do possível.

Sem comentários:

Enviar um comentário